sábado, 5 de julho de 2008

Crítica ao mistério sagrado do capital

O mistério sagrado do capital

O Lichand mandou esse texto para o grupos do mestrado, na véspera da prova de macro, classificando-o como excelente. Eu esperava ver algo interessante sobre economia, mas me deparei com um Paulo Coelho inglês. Depois de passado o ódio inicial pelo tempo perdido, prometi comentá-lo. Na verdade acho que fui injusto com o texto, ele não deve ser levado tão a sério. Só assim, mas ainda acho que nem assim, ele pode ser considerado bom. Ai vão meus comentários.

A idéia da economia como sendo uma religião não é nova. Como apontou Max Weber, os primeiros protestantes viam o sucesso econômico como um sinal de Deus de que alguém era celestialmente eleito. Foi um pequeno passo passar disso a buscar o sucesso para assegurar a salvação. O capitalismo, como disse Walter Benjamin, pegou discretamente a Reforma Protestante e substituiu a religião por si mesmo: ele se tornou uma religião, a religião ocidental. Logo, quando o protestantismo chegou aos Estados Unidos, em sua forma mais pura, o capitalismo fez o mesmo: as Américas espanholas católicas nunca prosperaram economicamente, diferentemente da América do Norte anglo-saxã protestante.

Weber nunca disse que a economia é uma religião, disse que o protestantismo ajudou a desenvolver o capitalismo. Dizer que o capitalismo é a forma mais pura do protestantismo é uma injustiça às idéias do Lutero e à competência dos judeus.

Mas as religiões evoluem, e os eventos recentes mostram que o capitalismo começou a evoluir menos como os tentilhões de Galápagos (cujos bicos se ajustaram ao longo de milênios para se adequar às bagas de sua ilha individual), e mais como o Incrível Hulk. O capitalismo Incrível Hulk pode expandir seus músculos de crédito tão rapidamente que suas roupas de ativos do mundo real não podem se expandir rápido o suficiente para contê-los. Expansão, explosão, colapso.

O capitalismo Incrível Hulk cai, atordoado e encolhido de novo, nas trapos de seus ativos. Ou, retornando à nossa analogia religiosa, se o capitalismo fosse uma religião, ela agora seria um culto pseudocientífico prazerosamente demente.O capitalismo Incrível Hulk está para o capitalismo de Adam Smith como a Cientologia está para cristianismo de Cristo. Tanto as altas finanças modernas quanto a Cientologia usam a linguagem e instrumentos da ciência para fins que são religiosos, não científicos. Ambos atendem uma necessidade, um anseio que as antigas formas de religião e capitalismo não mais atendem. A necessidade de um poder misterioso maior do que nós, no qual possamos acreditar. Ele precisa ser poderoso - mas também deve ser misterioso. E o mistério vem desaparecendo do mundo cada vez mais rápido, desde Galileu.

Aqui o autor começa a demostrar sua arrogância intelectual. Se eu não entendo, não existe, é religioso, místico. Afinal, como poderia existir algo que ele não entende.

De Adam Smith até o presente se passaram pouco mais de 200 anos. O Islã, o cristianismo e as religiões do Oriente levaram muito mais tempo para cobrir territórios bem menores. Por que o capitalismo moderno acelerou repentinamente, de forma explosiva, sua disseminação nos últimos 30 anos?

Porque o capitalismo ao contrário das outras religiões oferece a recompensa nessa vida. Na verdade, como veremos mais adiante, o autor sabe disso.

Para um sistema substituir sem derramamento de sangue outro sistema entrincheirado, o novo deve oferecer alguma melhoria significativa. E deve oferecê-la a todos. A religião de Abraão e Moisés não explodiu pelo mundo até que Paulo decidiu tornar a versão do judaísmo pregada por Jesus aberta a todos, independente de seu nascimento. Da mesma forma, o capitalismo à moda antiga era incapaz de se tornar uma religião universal, porque não oferecia esperança de salvação para todos. Apenas aqueles nascidos em uma elite de proprietários de terras e donos de capital podiam ter acesso ao capital. Mas o recente aumento do capital de risco abriu o capitalismo a todos e finalmente o tornou uma religião potencialmente universal.

Uma hora ele gosta do Hulk financeiro, outra hora ele não gosta. Já deu para perceber que o texto é mais um retalho de metáforas do que um argumento ou uma crítica.

Apenas mais uma mudança era necessária, e ela veio em 1971. Pois enquanto o dinheiro precisava ser apoiado pelo ouro, a economia estava enraizada no mundo material (da mesma forma que o cristianismo era apenas uma filosofia interessante enquanto Cristo estava vivo). O abandono do padrão ouro foi a crucificação e ressurreição do capitalismo; o evento traumático e libertador que permitiu ao capitalismo ser puramente religioso e totalmente movido pela fé. E como todas as religiões, assim que seu elo com o mundo físico foi partido, o capitalismo de livre mercado lamentou brevemente, então experimentou um aumento de energia e expansão.

Eu detesto esse argumento do padrão ouro. Qual é o valor intrínsico do ouro (seja lá o que isso quer dizer)? Qual a sua utilidade marginal? A moeda sempre foi baseada na confiança.

Aqui o autor começa a sua principal confusão: fé e incerteza. Fé é acreditar na ausência de lógica ou evidência. Incerteza é a ausência de alguma informação. Existe uma enorme diferença entre não ter toda informação e não ter nenhuma informação.

Em uma explosão dos mercados de crédito, gastos geradores de déficit e dinheiro baseado em fé, ele subjugou os soviéticos e chineses e sacudiu as sociedades islâmicas até suas raízes. Ele se expandiu mais longe e mais depressa que o Islã após a morte de Maomé. O Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial enviaram seus missionários para cada país. E sua língua agora substituiu o latim como língua universal, falada por uma casta sacerdotal sombria, vestida de preto, mas expressa sem o entendimento das pessoas comuns.

As pessoas precisam disso, elas anseiam por mistérios, um sacerdócio, xamãs em contato com grandes forças. E as altas finanças modernas, como o latim da igreja cristã, têm mistérios profundos em seu âmago. Nem mesmo banqueiros sabem o que uma obrigação de débito colateralizada ao cubo realmente é.

De novo ele se agarra na certeza de que seu conhecimento é universal ou ao menos universal das pessoas comuns (seja lá o que isso queira dizer). Aposto que esses banqueiros também não sabem o que é CDO. Se sabem, não sabem o que é ao cubo!

O autor também sofre de etnocentrismo. Só porque ele se interessa em misticismo, ele crê que é por isso as pessoas se interessam pelo mercado financeiro, e não porque dá dinheiro.

Enquanto antes o mistério essencial estava contido na frase "fiat lux" - que haja luz - ele agora está contido na frase "fiat money" (moeda fiduciária). O dinheiro, essa coisa sem peso, esse espírito que está em toda parte e em lugar nenhum: este nada em tudo, é o Espírito Santo do capitalismo. E seu toque pode transformar você nesta vida, dando a ele uma grande vantagem sobre religiões anteriores, que oferecem apenas consolo na próxima. Um banco com uma base de capital de US$ 10 bilhões pode emprestar US$ 100 bilhões. Mas com esse dinheiro, as pessoas constroem casas reais, dirigem carros reais, comem pão real e bebem vinho real. Este não é um ato de criação? Não é um mistério digno de Deus?

Falei que ele conhecia as benéfices do capitalismo.
Mistério de Deus não, mas eu também acho bem interessante.

Um banqueiro pode fazer um empréstimo de US$ 1 bilhão para uma empresa de mineração. Este dinheiro baseado em fé, apoiado por nada, transferido eletronicamente, é usado para transformar colinas em buracos. A mineradora envia o minério resultante para todo o mundo. Nós vivemos na primeira era em que a fé pode literalmente mover montanhas.

Sugiro que ele tente conseguir um empréstimo de US$ 1 bilhão apoiado por nada.

Os críticos do capitalismo de consumo se desesperam diante da tolice das massas, que compram o que querem embalado como se fosse o que precisam. Mas este é um entendimento equivocado da transação. Nós rezamos com nosso dinheiro, que é apoiado por nada a não ser fé, e um milagre acontece - nossas cestas se enchem de bens, muito mais coisas do que poderíamos produzir ou cultivar nós mesmos. Em todas as outras religiões, você vai ao templo e dá aos guardiões alimentos que você cultivou com dificuldade. Sob esta nova religião melhorada, o templo dá alimento a você. O que acontece, toda vez que realizamos compras, é um milagre semelhante ao dos pães e peixes.

Muitos falam sobre as desigualdades do capitalismo moderno. Mas a verdade é mais sutil e estranha. O cristianismo antes pregava a igualdade do homem, mas não conseguiu encontrar um modo de tornar real a visão. O comunismo tentou e fracassou em impor a igualdade a nós. Mas apenas nosso capitalismo moderno, excitável, baseado na fé, conseguiu este grau de uniformidade e igualdade. A Ikea, com suas cadeiras de US$ 10, está proporcionando não apenas o céu cristão, mas também o comunista: todos iguais, sentados nas mesmas cadeiras, iluminados pelos mesmos abajures, em todo o mundo.

Viu, no fundo ele gosta do Hulk e reconhece o recente sucesso do capitalismo.

*Julian Gough conquistou o prêmio BBC National Short Story em 2007.

Ele é, de fato, um autor de contos.
Como sugeriu o Fabrício, é um bom texto para passar no vestibular da UFRJ, mas muito ruim relativo à economia.

3 comentários:

Victor disse...

Gostei de ver, não pode dar mole para esses caras não.

Aguardando novos posts.
Victor, o Mexicano.

RandomWalker disse...

bons pontos os seus... acho q o problema desses caras é q começam a se fascinar pelo lero-lero e perdem totalmente o fio da meada... deixa de ser investigação científica e passa a ser conto da carochinha...

Incrível Hulk foi brabo!

Tiago Caruso disse...

Você tem razão, o texto é apenas um conjunto de metáforas ruins.

Valeu mexicano, vou postar algo em breve.

Abs