terça-feira, 27 de janeiro de 2009

a crise em números:

"This is a forward I received today, not sure of the original source, please let me know if you are aware of the proper attribution:

This is a great analogy of how bad the current financial crisis is and how overvalued it was a year ago.

One year ago… RBS paid $100 billion for ABN Amro.

Today… The same amount could now buy:

Citibank $22.5 bn
Morgan Stanley $10.5 bn
Goldman Sachs $21 bn
Merrill Lynch $12.3 bn
Deutsche Bank $13 bn
Barclays $12.7 bn

And still have $8bn change...for which you would be able to pick up GM, Ford, Chrysler and the Honda F1 Team"%"

13 comentários:

Anônimo disse...

e dois dos compradores do ABN já abraçaram o capeta.

Anônimo disse...

Aviso! Saiu a nota do concurso do IPEA.
Achei bem interessante que o último colocado é assessor da diretoria do ipea...

http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.jsp?id=P282991

Nem fazendo prova sobre medida...

Anônimo disse...

Mesmo que alguém que tivesse 100 bilhões soubesse que todos esses bancos custariam hoje 99 bilhões, não saberia onde guardar os 100 bilhões de modo a não ter perdas e conseguir comprá-los hoje.

Guilherme Lichand disse...

Dado do BIS: US$ 580 tri é o volume em derivativos que desapareceu do balanço das empresas

Quanto você acha que o Governo dos EUA vai ter que gastar para manter o nível de atividade enquanto empresas e famílias ajustam seus portfólios?

Tiago Caruso disse...

Lichand,

Qual a ligação entre as duas coisas?

Anônimo disse...

cuidado com o valor nocional

Anônimo disse...

Nossa! Que bacana!

Anônimo disse...

Depois falam que o Governo brasileiro gasta mal:



O Tesouro americano já colocou US$ 45 bilhões no Citi, e com isso detém 6% das ações.

Mas o valor de mercado do Citi, no momento, é de menos de US$ 20 bilhões.

Anônimo disse...

Tiago

esperava-se um minimo de conhecimento economico no mestrado da PUC Rio. Ja que voce nao o demonstra, vamos explicar:

derivativos incluem futuros e opcoes. Quanto aos futuros, nao ha problema, pois se o agente A vendeu, algum agente B comprou e salvo diferencas brutais na propensao a marginal a consumir de ambos, isso gera apenas redistribuicao de renda, nao queda da renda.

opcoes sao diferentes. As empresas em geral compram opcoes do sistema financeiro e lancam como ativo e assumem compromissos em cima desses ativos. Empresas nao vendem opcoes. Note a sutileza: empresas compram opcoes, que tanto podem ser puts ou calls. Se vc tem um balanco em que parte significativa do ativo esta em opcoes, e essas opcoes perdem o valor (580 trilhoes eh um numero excessivo, mas nao deve fugir muito disso), vc cria um problema nos balancos, vulgo "PL negativo", a depender da gravidade. Em geral, PL negativo pode significar "valor de mercado zero" ou, mais vulgarmente, falencia/concordata.

Vc ainda precisa q eu te explique o link?

Soros

Rafael M disse...

"Soros", você é retardado?

1) Quem te disse que empesas não vendem opções?

2) Exatamente como acontece com os futuros, se uma opção é ativo de uma empresa (ou banco), ela é passivo de outra empresa (ou banco). O seu racicínio simplório sobre os futuros se aplica perfeitamente as opções.

Vai estudar, por favor. E abaixa a bola.

Anônimo disse...

soros falou merda:

primeiro: empresas vendem opções. Inclusive foi isso o que aconteceu com Sadia, Aracruz, etc......na realidade, elas não venderam opções de direito, mas sim de fato.

segundo: derivativos em geral não entram nos balanços das empresas. Inclusive essa é uma das causas do empoçamento do crédito nos Estados Unidos e outros locais, porque ninguém sabe ao certo o que há por trás dos Balanços dos Bancos.

Anônimo disse...

olha, eu ateh tentei explicar o comentario anterior. Mas excluiram tres posts meus!



Soros

Anônimo disse...

Eu tenho um vizinho que eh de Michigan, um nerd "aposentado" do tech bubble. Recentemente, ele descobriu que a familia Ford atualmente possui uma parcela da Ford que vale a precos pre-falimentares de hoje em dia MENOS do que o patrimonio liquido dele. Ligou para o pai, ainda em Michigan, para contar que o filho era mais rico que os Ford.