terça-feira, 2 de junho de 2009

Ciclos e crises



Hal Varian afirmou que o Google Trends pode ser uma poderosa fonte de informação sobre preços de ativos (leia aqui). Por que não poderia informar também sobre a natureza do capitalismo? O gráfico abaixo mostra as buscas pela palavra "crisis" no mundo nos últimos 30 dias:



P.S.: Só por curiosidade, embora os EUA sejam o epicentro da crise e o Reino Unido uma das economias mais fortemente atingidas por esta, é surpreendente o ranking dos países que mais buscam o termo no Google:

Mesmo sabendo que "crisis" é crise tanto em inglês quanto em espanhol, o ranking embute dois fatos surpreendentes: (i) à exceção de Espanha e Austrália, todas as economias que mais buscam o termo são emergentes, e (ii) EUA e UK nem figuram nesse ranking.

Talvez porque lá o internauta médio não precise procurar na internet para sentir o que está acontecendo...

13 comentários:

Theo disse...

Eu tenho palpite (técnico):

- esse Google trends te dá somente buscas pelo termos "crisis", certo? Se o americano médio procurou "subprime crisis" ele não cairia nessas estatísticas....? Talvez ai esteja algum segredo.

Guilherme Lichand disse...

Resultado do Google Trends para "subprime crisis":

1. India
2. Singapore
3. Hong Kong
4. Malaysia
5. Chile
6. South Africa
7. Australia
8. China
9. Taiwan
10.United States

é... apareceu aí... mas só em 10º!

Theo disse...

olha que interessante...pelo que entendi, o primeiro termo irá determinar BEM de onde vem a busca pelo método deles...

"14. How does counting and ranking of the top regions, cities, and languages work, and are they scaled differently?

To rank the top regions, cities, or languages, Google Trends first looks at a sample of all Google searches to determine the areas or languages from which we received the most searches for your first term. Then, for those top cities, Google Trends calculates the ratio of searches for your term coming from each city divided by total Google searches coming from the same city. The city ranking you see on the page and the bar charts alongside each city name both represent this ratio. When cities’ ratios are fairly close together, the corresponding bar graphs will be roughly the same length, and the exact ranking between these cities is less meaningful.

If you export the data to a .csv file, you'll see numbers for the top regions and cities. These numbers are based on a scale where the top region or city for the search term which you’ve ranked the data by will be 1.0.

Tiago Caruso disse...

Um amigo me sugeriu para minha tese que eu tentasse medir o impacto das milícias nas eleições. Eu disse que era uma idéia, mas não saberia como associar um candidato a uma milícia, a não ser que eu usassem o relatório da CPI que as apurou. Então ele me sugeriu: cria uma variável google-milícia mostrando quantos sites o google encontra quando colocamos o nome do vereador e a palavra milícia juntas e vê no que dá.

O que vocês achariam de uma variável assim?

Tiago Caruso disse...

Só uns resultados da pesquisa:

Jerominho milícia= 9740 sites
Nadinho milícia =3240 sites
Theo Cotrim milicia= 162 sites
Tiago Caruso milícia= 437 sites
Guilher Lichand milícia=1 site
Rapahel Araújo milícia = 3970 sites

Tiago Caruso disse...

Ranking de Pesquisa do termo milicia:

1. Palermo, Italy
2. Santo Andre, Brazil
3. Campo Grande, Brazil
4. Ancona, Italy
5. Caracas, Venezuela
6. Rio De Janeiro, Brazil
7. Sao Paulo, Brazil
8. San Jose, Costa Rica
9. Fortaleza, Brazil
10. Salvador, Brazil

Santo André?

Theo disse...

caracas! raphael araujo (zangado) é mais sujo que nao sei o que!!! eta povo da zona oeste!

Guilherme Lichand disse...

hahaha boa... só não esquece de botar aspas na busca quando você for fazer isso para a sua dissertação!

Bernard Herskovic disse...

o Caruso é perigoso também... Esse google trends é muito legal, eu estava olhando a palavra "mulher" e sempre dá um pico muito grande no mês de março.

JOÃO MELO disse...

Parabéns pessoal pelo blog. Teoria e prática no conhecimento da Economia. Continuem assim e estaremos sempre por perto. Abraço,
João Melo, direto da selva

lucas disse...

eu tenho uma impressão que no Brasil, e quem sabe em países similares, as pessoas sempre acham que estamos em crise ou prestes a entrar numa por qq coisa, mesmo com o país crescendo razoávelmente bem como estava antes. Tem diminuido um pouco nos últimos anos, mas nossa história dos últimos 30 anos nos deixou um certo pessimismo economico no senso comum. Acho que, mais o menos como a auto-imagem de subdesenvolvido, isso passa com mais 15-20 anos de crescimento.

Zangado milico!!!

Bernard Herskovic disse...

Eu gostei da sazonalidade: as pessoas procuram menos por crisis no final de semana. Uma outra tentativa seria:

“need Money” (o primeiro país é south áfrica e a série é crescente no últimos anos) lista por cidades:
1. Orlando, FL, USA
2. Tampa, FL, USA
3. Miami, FL, USA
4. Richardson, TX, USA
5. Atlanta, GA, USA
6. St Louis, MO, USA
7. Dallas, TX, USA
8. Philadelphia, PA, USA
9. Phoenix, AZ, USA
10. Houston, TX, USA

ou
“need cash” (a série é decrescente desde 2005 e o primeiro país é USA) lista por cidades:
1. Irvine, CA, USA
2. Phoenix, AZ, USA
3. Orlando, FL, USA
4. San Diego, CA, USA
5. Tampa, FL, USA
6. Miami, FL, USA
7. Houston, TX, USA
8. Chicago, IL, USA
9. Richardson, TX, USA
10. Atlanta, GA, USA

Porém, o termo é em inglês.

Anônimo disse...

pelo que andei pesquisando sobre a crise em Londres, por lá os jornais e as pessoas costumam se referir a ela como "credit crunch" ou, simplesmente, "crunch." As vezes com um desses termos se encontra mais resultados.
abs